[LIVRO] Todas as coisas belas, Matthew Quick

Olá pessoas, tudo bem? 

Estou bem feliz que to conseguindo deixar as resenhas e as leituras do mês em dia, assim quando dizer o post geral eu não fico tão perdida. "Todas as coisas belas" é lançamento da Editora Intrínseca do mês de Abril e, além da capa ser bem legal, eu fiquei intrigada e curiosa para ler. Eu não sou a maior fã de sinopse então eu resolvi ler com a cara e coragem. Foi o primeiro livro do autor e eu gostei demais de conhecer seu estilo narrativo. 


O livro vai apresentar a protagonista Nanette O'Hare, ela tem 18 anos e é a típica boa aluna, boa filha, boa amiga. Porém, ela sempre se sentiu meio fora do grupo, meio sufocada pelas pessoas ao seu redor e meio deslocada, apesar de fazer parte do grupo popular. No último ano do colégio as coisas mudam um pouco. Ela acaba ganhando um livro de presente de seu professor preferido, um clássico que há anos não é mais falado "O ceifador de chicletes". No mesmo dia que recebe o livro, ela faz a leitura e fica fascinada com o livro, a ponto de reler em seguida e só começar a falar dele. 

O professor sabendo da fascinação dela pelo livro, acaba apresentando ao autor do mesmo, e os dois passam a ser amigos. Nanette, a jovem popular que sente-se deslocada, que achou refúgio no livro e o autor recluso que não quer falar sobre seu livro, mas que quer essa amizade mesmo assim.

Essa amizade, apesar de bem estranha, começa a florescer e ela fica encantada com as oportunidades que surgem. Ela percebe, pela primeira vez, que ela precisa começar a todas as próprias decisões, que precisa dar um rumo para sua vida. Começar a pensar por ela e não apenas ir na onda do que os outros estão dizendo. Nanette O'Hare está em busca de liberdade, mas até onde ela está disposta à ir para conseguir? 


Como disse lá em cima, eu nunca tinha lido nada do autor e, à princípio a narração dele me incomodou um pouco, mas depois consegui me acostumar. O livro está cheio de quotes maravilhosos que valem para a vida, além de te dar vários tapas na cara. 

Quando a gente é mais novo (ou não, necessariamente) sempre buscamos o padrãozinho, o que os outros então fazendo, assistindo, vestindo. Mas e se eu não quiser seguir a moda, não quiser fazer as mesmas coisas que meus amigos, ou festejar igual eles? Também há beleza nisso, e o livro tenta salientar que tudo bem você não seguir os padrões. Afinal, o que é padrão? 
"Quando foi a última vez que alguém lhe perguntou se você era feliz e olhou no fundo de seus olhos, de um jeito que fez você sentir que a pessoa de fato estava interessada em saber?"
O livro é bem leve e tem uma história simples. A protagonista, apesar de muito passiva e até um pouco grossa, soube lidar bem com as situações. E é possível ver o quão confusa ela está e quanto ela precisa de ajuda. Não importa a idade que você tenha, você ainda vai se encontrar tendo as mesmas dúvidas da protagonista. 

É livro para você ler, parar e pensar na vida, nas suas decisões e escolhas. Refletir sobre onde você está e onde quer chegar. Se, tudo o que você está fazendo para chegar onde quer, vale realmente a pena ou você só está seguindo o que estão dizendo e não o que realmente sente?! 

"Você nunca teve vontade de largar alguma coisa que todo mundo faz você sentir que precisa continuar fazendo? Nunca teve vontade de... parar?"

"Todas as coisas belas" não tem muitas reviravoltas, mas é sincero na mensagem que quer passar. É uma leitura rápida, mas isso não quer dizer que seja superficial, muito pelo contrário. É um livro denso com várias camadas. 

Apesar de ter gostado muito da história, teve algumas situações que me incomodaram, por isso não dei 5 estrelas, mas recebeu 4 que ~para mim~ já é uma ótima nota. Vale a leitura do livro e as reflexões que ele proporciona. Recomendadíssimo. 

Every Exquisite Thing
Matthew Quick
ISBN-13: 9788551003008
ISBN-10: 8551003003
Ano: 2018
Páginas: 272
Editora: Intrínseca


*ESSE POST FAZ PARTE DO TOP COMENTARISTA DE JULHO/2018*

Acompanhe o blog nas redes sociais!
Instagram ♦ Twitter ♦ Facebook ♦ Skoob ♦ Goodreads ♦ Pinterest

34 comentários:

  1. Oi, Rosana,

    O enredo proposto, é bom - principalmente por levantar questões acerca da personagem em sua busca... E, no que isso refletiu em sua vida.

    Às vezes, precisamos de algo que nos impulsione a mudar nossa forma de ser.

    O livro parece trazer uma mensagem importante, e por isso, eu o leria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, é um livro bem interessante que te faz abrir os olhos.

      Excluir
  2. Acho bacana livros que nos levam a refletir e pelo que li na resenha esse trás mensagens importantes principalmente para jovens em formação, você não tem que seguir um padrão pra ser feliz, gostei disso. Sobre o autor, li o livro dele que foi adaptado, O lado bom da vida, mas tem muito tempo, lembro de ter sido uma boa leitura, mas nada tão marcante a ponto de lembrar o tipo de escrita dele, imagino que vá me sentir lendo o livro de um autor novo se resolver ler essa história.
    Sobre a capa, gostei mais da americana, entrei no Skoob e achei a nacional estranha haha ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa br é meio estranha sim, tem a ver com o livro, mas é diferente. Gostei da escrita do autor, mas algo no livro não me fez ficar apaixonada, mas eu gostei muito!

      Excluir
  3. Olá Rosana! Achei o livro muito inspirador. Gosto muito dessas histórias com mensagens positivas que nos fazem refletir sobre nós mesmos e que ressaltam a diversidade em suas muitas formas. Sem falar nessa relação leitor-autor, pois quem não gostaria de ser amigo de seu leitor favorito, não é? Dica de leitura anotadíssima. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou. E, SIIIM, seria ótimo ser amiga dx autorx favoritox .. quem dera!

      Excluir
  4. Adoro os livros desse autor porque ele sempre consegue me deixar umas coisas legais na cabeça, falar de umas questões que me inspiram e gosto de ter ali pra pensar. Ele faz bem isso. E nossa, me identifiquei demais com isso da personagem e os padrões e essas coisas. Aconteceu comigo, de fugir do que os amigos mais gostavam porque gostava de outra coisa, de coisa de roupa que todos usavam e eu não via graça, musica que não curtia e tudo mais. A gente fica desenturmado por umas bobagens assim, mas não tem nada de errado em pensar por conta própria e saber do que você gosta e não do que você acha que gosta por causa de amigos e influências assim. Mas é aquele negócio, quando se é jovem tudo é demais e se descobrir nessa idade é sempre um terror que só!
    Parece que é mais uma daqueles histórias que tanto gosto dele. Já me fez pensar muito aqui e nem li xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você resumiu muito bem a mensagem que o autor quis passar, é isso mesmo. Ainda mais na adolescência quando todos queremos ser iguais para encaixar com as amizades, essas que muitos anos depois nem sequer tem contato. Queria ter lido esse quando quando era mais nova, teria ajudado tanto hahaha

      Excluir
  5. Gosto muito do trabalho do autor, apesar de ter lido pouca coisa. Mas mesmo assim, quando vi o nome dele na capa, já quis!
    Nanette pode até ser passiva, mas em contrapartida, traz essa garra em ir atrás de respostas e Gostei também da dedicação do professor e se tiver oportunidade, quero muito conferir!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ela é passiva até certo momento, depois ela percebe as cagadas que estava fazendo e a história muda.

      Excluir
  6. Só li o primeiro parágrafo.
    Estou com ele aqui pra ler e quero me surpreender.
    Amo a escrita do Quick.
    Meu preferido é Quase uma rock star, mas gostei muito de O lado bom da vida.
    Espero ler os outros dele também.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito, com certeza faria essa leitura.
    Realmente acho que todos nós passamos por esse problema da personagem, muitas vezes o medo da rejeição nos faz seguir padrões que não têm nada a ver conosco e com isso nos sentimos mesmo deslocados e sozinhos. Essa é aquela leitura que todo mundo deveria fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, é com certeza uma leitura obrigatória. Faz o leitor abrir os olhos para si mesmo e enxergar o que está fazendo.

      Excluir
  8. Olá, Matthew Quick parece gostar de usar uma trama sem muitas reviravoltas para fazer com que o leitor reflita sobre algo, e nessa obra, assim como em The Silver Lining Playbook, é evidente que há uma ênfase para as consequências de uma decisão, mostrando que essas fazem parte do amadurecimento. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não li outro livro do autor, mas quero muito conhecer outras obras dele.

      Excluir
  9. Olá.
    Li apenas O lado bom da vida do autor e confesso que a narrativa me cansou um pouco. Acho que teria o mesmo problema com esse livro.
    Achei a premissa interessante, mas acho que tem vários livros que abordam o mesmo tema, que talvez eu goste mais de ler. Essa vontade de fazer parte de um grupo é algo muito presente na adolescência, depois vemos que isso não é tão importante e que as nossas peculiaridades é que nos faz ser quem somos.
    Que bom que no geral você aproveitou bastante a leitura =)
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que por ter gostado desse, é muito capaz de gostar dos outros livros do autor. Foi uma boa leitura ^^

      Excluir
  10. Já andei lendo uma resenha deste livro e gostei muito do que vi. Nanette parece ser uma jovem comum, como muitos de nós já fomos ou ainda somos. Mas carregar dúvidas, anseios e nem sempre tomar as decisões corretas, faz parte de todos nós e se tiver oportunidade, quero muito me inspirar também. Acho que essa leitura trará reflexões!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, muitas reflexões, quem nunca tentou se encaixar em algum grupo que atire a primeira pedra, né... Acho que, quando somos mais novos, fazer parte de um grupo é essencial, só depois de mais velhos que percebemos como nossa individualidade é importante e ser quem queremos e essencial.

      Excluir
  11. Rosana!
    Não li nada do autor ainda.
    Gosto de leituras que trazem essa abordagem mais pessoal sobre a busca do que fazer, ou de quais perspectivas de vida teremos.
    Bom que gostou, embora tenha algumas ressalvas.
    “O homem está sempre disposto a negar tudo aquilo que não compreende.” (Blaise Pascal)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JULHO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia algo dele quando puder, recomendo demais ^^

      Excluir
  12. Oi, Rosana!!
    O livro parece ser bem interessante, ainda não li nada do autor mais estou bem empolgada com duas outras obras do Matthew Quick que são: Perdão, Leonard Peacock e O Lado Bom da Vida. E gostei bastante do quotes do livro sem dúvida é uma história que vale a pena conferir.
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendo demais, agora quero ler outros livros dele ^^

      Excluir
  13. O livro sem dúvidas que traz uma boa mensagem a quem lê, pois estar num grupo de amigos na adolescência é sempre complicado, todos querem fazer o que todos fazem, mas temos que buscar nossa essência, ir atrás do que queremos e ser feliz,sem se importar com a opinião alheia!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, essa é a mensagem do autor ♥

      Excluir
  14. Oi Rosana,
    Os livros do autor tem isso mesmo de mostrar que o diferente é bom, mesmo não lendo esse, pelas resenhas já vi que ele segue um certo padrão.
    Confesso que apesar de ver que é uma boa história, não achei inovadora, parece que ele mudou os personagens, a situação, e trilhou um caminho igual, não sei, não curti.
    Espero que leio outros dele, acho que, apesar dos pontos que citei, vale a pena.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou procurar mais livros dele para ler, espero que não sejam tudo meio 'parecidos'.

      Excluir
  15. Olá!
    Não conhecia o autor e nem o livro. Adorei muito por conhecer, a história me deixou encantada e bem curiosa pela trama, uma premissa ótima, até fiquei curiosa sobre essa jornada da garota.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que possa ler esse livro, é ótimo! Que bom que gostou ♥

      Excluir
  16. Parece ser um livro simples, rápido e com uma boa mensagem.
    Reflexiva e boa pra vida.
    Mas confesso que tenho um certo ranço com o autor depois de ter lido O Lado bom da vida, que detestei. kkkk
    Vou tentar ler esse, mas não sei não kkk
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não li outros livros dele, então então sabia o que esperar. Foi uma leitura bem diferente, mas eu gostei.

      Excluir
  17. Parece ser um livro que realmente deixa um lição ao leitor, e eu adoro livros assim e ainda mais quando é recheado de quotes que te deixam pensando seriamente naquilo. O livro o lado bom da vida do Matthew gostei muito, entã espero que esse tbm eu goste. Quero muito ler!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.