1 de nov de 2014

Drácula - A história nunca contada (2014)

Ainda no ritmo Halloween, a resenha de filme de hoje é a do vampiro mais famoso da história: Drácula. Nesse novo remake, que, eu não duvido, se tornará uma franquia, conhecemos o Vlad antes mesmo de ele adquirir seus poderes. Apesar de adorar os vampiros, e lógico, saber quem é o príncipe empalador, eu ainda não tinha pensado em toda a história por trás da lenda.

Título: Dracula Untold - Drácula A história nunca contada
Lançamento: 23 de outubro de 2014 (1h32min) 
Dirigido por: Gary Shore
Com: Luke Evans, Sarah Gadon, Dominic Cooper mais
Gênero: Ação , Fantasia , Terror
Nacionalidade: EUA
Duração: 92 minutos
Sinopse: Os habitantes da Transilvânia sempre foram inimigos dos turcos, com quem tiveram batalhas épicas. Para evitar que sua população fosse massacrada, o rei local aceitou entregar aos turcos centenas de crianças. Entre elas estava seu próprio filho, Vlad Tepes (Luke Evans), que aprendeu com os turcos a arte de guerrear. Logo Vlad ganhou fama pela ferocidade nas batalhas e também por empalar os derrotados. De volta à Transilvânia, onde é nomeado príncipe, ele governa em paz por 10 anos. Só que o rei Mehmed (Dominic Cooper) mais uma vez exige que 100 crianças sejam entregues aos turcos. Vlad se recusa e, com isso, inicia uma nova guerra. Para vencê-la, ele recorre a um ser das trevas (Charles Dance) que vive pela região. Após beber o sangue dele, Vlad se torna um vampiro e ganha poderes sobrehumanos.
Como eu disse, nunca parei para pensar em toda a história do príncipe Vlad. Para quem não sabe,  é um romance de 1897 escrito pelo autor irlandês Bram Stoker. Muitas adaptações foram feitas, e a obra se tornou um clássico da literatura de vampiros/ficcção terror/romance gótico. Só para o cinema, foram várias representações. A primeira em 1922. Mas em 1970, com o ator Christopher Lee, a versão mais marcante se instaurou. por ser a mais fiel ao livro.  Em 1992, o diretor Francis Ford Coppola também deixou a sua marca, ao dirigir "Drácula de Bram Stoker", que recebeu alguns prêmios, incluindo um Oscar.

Dita essas informações, que fui colhendo à medida em que pensei em fazer a resenha, é inegável que Drácula é um clássico e que essa não vai ser a última adaptação. Agora, falando diretamente dessa nova roupagem, eu digo que para os fãs mais atentos pode não ser tão boa. Vlad Tepes aqui, é um príncipe e que depois de uma infância sendo escravizado, vive com a mulher o filho na Transilvânia. Todos os seus atos são justificados pelo amor à família e ao seu reino. Para quem conhece de longa data o empalador, é no mínimo diferente essa história. Mas, como o título sugere: é a origem de tudo e uma história que nunca foi contada. 
Vlad se nega a entregar seu filho e outras crianças do reino aos Turcos e inicia uma guerra. Ele então, busca forças ao pedir para a criatura que vive em uma caverna o transformar. Essa criatura é um vampiro, que fez um pacto com demônios há muito tempo atrás e que só pode sair da caverna se transferir seus "poderes".  Vlad aceita o desafio de não beber sangue humano por três dias pretende depois de vencer a guerra, estar morto (isso aconteceria se ele não bebesse o sangue, não completaria a transformação). Era óbvio que isso ia dar errado, por três motivos:
1) Como que uma pessoa com sede de sangue vai participar de uma guerra?
2) Seu comportamento estranho levantaria suspeitas.
3) Seus adversários não eram burros.

O que, de fato, aconteceu. Eu até que o achei controlado, ficava torcendo para ele matar a esposa. Coitada, não que ela fosse tão horrível assim, até ficou ao lado dele. Mas achei a atuação não tão boa, principalmente porque estava ao lado de Luke Evans, que encarnou de verdade o Drácula. Em relação aos efeitos e a fotografia, a adaptação não peca nesse sentido. Gostei muito das cenas de luta também.

Outro ponto fundamental foi manterem a mitologia de que os vampiros não podem andar ao sol, e da prata e crucifixo atingirem as criaturas (e quando eu disse que seus adversários não eram burros, estava falando sério, o embate final me deixou tensa). Para quem deseja, sem compromisso ou cobranças das lendas que anteriorizam o filme, é só se deixar levar pela história.

Todas as atitudes do Vlad são justificadas, apesar de o próprio se autonomear um monstro. Ele quer evitar que as crianças passem pelo que ele passou, quer cuidar do filho e da esposa: é um herói, ou anti-herói, que surge. A culpa é das circunstâncias. E se, não acontecesse o que aconteceu, ele se sacrificaria por todos. É como se mesmo vendo que ele é cruel e que matou muitas pessoas, conseguíssemos entender o personagem. E quando digo que ele é controlado, a cena em que ele transforma o que sobrou do seu povo e os vê sedentos por sangue explica bem isso.
"Mas, ás vezes, o mundo não precisa de um novo herói, precisa de um monstro."
Como amante de vampiros, fiquei até constrangida por não saber da história do Vlad, e por isso fiz toda essa contextualização histórica. Fiquei com medo de falar besteira e parecer gostar dos vampiros apenas por moda: acreditem, não é o meu caso.
Quem ai já assistiu? Deixo o trailer para vocês.
Besos!

PS: Charles Dance como a criatura estava demais:  "Que comecem os jogos!"
P.S.2: Agradecemos pelas cenas sem camisa. Luke me lembra o Orlando Bloom.
Encontre o blog nas redes
Instagram ♦ Twitter ♦ Facebook ♦ Tumblr ♦ Skoob ♦ Google+

8 comentários:

  1. Adorei a contextualização, não sabia que era tudo isso não. Na verdade não sou muito fã assim de vampiros, mas acredito que seja por não ter dado a chance ao vampiro certo. Eu estava muito afim de ver esse filme, agora fiquei mais interessada, E concordo, ele parece muito o Orlando Bloom haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi exatamente o que aconteceu comigo. Não tinha a menor paciência para vampiros, até assistir a TVD e outras séries do gênero, e por isso fui tranquila assistir ao filme. Nem preciso falar que fiquei com vontade de ver as outras adaptaçôes né? Rs

      Excluir
  2. Nossa, agora você me convenceu a ver o filme. Confesso que não gosto tanto do tema, mas parece que a produção acertou em cheio.
    A história parece bastante coerente, uma boa adaptação. Talvez a escolha do ator principal tenha influenciado positivamente também!
    Acho que vou ver essa semana!!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHA, obrigada Ana Paula. Também acho que contribuiu positivamente.
      Beijoos

      Excluir
  3. Eu nem sabia que tinham feito esse filme kkkk super antenada eu. Me parece ser um filme bom, eu tenho que confessar que nunca soube a origem do Drácula, nunca procurei saber e acho que nem vi os filmes mais antigos #vergonha. E esse filme por ser mias novo me interessou mais, não importando sua fidelidade a história original, só pelo ator charmoso já compensa rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sabia mais ou menos, mas senti #vergonha também, rs.
      Sim, Luke é demais. Assista legendado que o sotaque é de matar! hahaha
      Beijos

      Excluir
  4. Uau,todo mundo esta falando desse filme.Já vi vários blogs e canais fazendo resenha dele.Preciso assistir urgentemente!
    Beijos.

    ResponderExcluir

© Tudo que Motiva - 2014. Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.