[LIVRO] Apenas Um Garoto, Bill Konigsberg

Título: Apenas um garoto
Autor: Bill Konigsberg
ISBN-13: 9788580415896
ISBN-10: 8580415896
Ano: 2016
Páginas: 256
Idioma: português
Editora: Arqueiro
Skoob | Amazon | Saraiva
Rafe saiu do armário aos 13 anos e nunca sofreu bullying. Mas está cansado de ser rotulado como o garoto gay, o porta-voz de uma causa.
Por isso ele decide entrar numa escola só para meninos em outro estado e manter sua orientação sexual em segredo: não com o objetivo de voltar para o armário e sim para nascer de novo, como uma folha em branco.
O plano funciona no início, e ele chega até a fazer parte do grupo dos atletas e do time de futebol. Mas as coisas se complicam quando ele percebe que está se apaixonando por um de seus novos amigos héteros.


Gente, nunca vi tanta gente revoltada no skoob por causa de um livro. Jesus! Mas o livro conseguiu me agradar sim! Rafe Goldberg é nosso protagonista da história, assumiu-se cedo, os pais o aceitaram e seus amigos levaram tudo isso numa boa. Porém, cansado de ser intitulado como "o garoto gay" ele decide ir estudar em outra escola e em outro estado. E o que isso tem a ver? Simples, Rafe Goldberg pretende voltar para o armário, ele não conta a ninguém do colégio interno que é gay.
"Sim, eu saí do armário. Primeiro para os meus pais, quando eu cursava o oitava ano, depois na Rangeview, no nono ano.(...) E ninguém surtou. Ninguém ficou arrasado, assustado ou se sentiu insultado. Não muito, pelo menos. Tudo correu superbem."
"- Estou cansado disso. Estou cansado de ser um garoto gay. Não quero mais isso para mim. Eu só quero ser, tipo um garoto normal." 
No começo do livro já veio aquele pensamento "isso não vai terminar bem". Uma mentira causa danos irreversíveis, não é mesmo? Até onde nosso querido Rafe iria com isso? Esses questionamentos só me motivava ainda mais a continuar a leitura.  

Embora seu desejo no começo era ter uma vida sem esteriótipos, ele consegue entrar para o time de futebol sem ser conhecido como o jogador gay, consegue fazer amigos dos mais variados tipos desde ao nerd ao esportista da escola.  A questão é que voltar para o armário não é uma escolha nada saudável e com o passar do tempo Seamus Rafael Goldberg, Rafe, começa a se sentir mal fingindo ser alguém que não é. 
Para mim, essa coisa de sair do armário girava em torno de arrumar um namorado. Quero dizer, por que mais alguém se assumiria? Porque é divertido ser julgado? Não, você sai do armário porque quer encontrar o amor.
E aí temos Ben, um garoto inteligente, super meigo e gentil que também joga no mesmo time de Rafe (o de futebol, tá gente? kkk Eu tinha que fazer isso). Tudo muda quando uma paixão inesperada ocorre na história, Rafe que havia tornado-se amigo de Ben começa sentir outros sentimentos e desejos que vai muito além da amizade, ele decide não fazer nada a respeito e deixar tudo como está porém tudo fica ainda mais confuso quando ele começa acreditar que Ben também sinta algo por ele, nem que seja só um pouquinho. Rafe, Rafe, que confusão, viu? O livro é simplesmente fantástico, ele nos leva a dar risadas e em outras partes a nos revoltar. 
EU ESTAVA PENSANDO EM COMO AS COBRAS TROCAVAM DE PELE TODO ANO E COMO SERIA MARAVILHOSO SE AS PESSOAS FIZESSEM ISSO TAMBÉM. DE MUITAS MANEIRAS, ERA O QUE EU QUERIA QUE ACONTECESSE.
Rafe nos mostra o quanto é duro ser reconhecido apenas por sua opção sexual, por ser gay as pessoas acreditam que é um DEVER seu ser porta voz e defensor da causa, o certo seria não ter que precisar defender nada, não é mesmo? É muito fácil julgar os outros principalmente quando você não é o que as pessoas desejam ou esperam que seja. O autor é muito bom ele consegue fazer diálogos maravilhosos, a leitura em si é rápida e vou dar cinco estrelas nessa belezinha.

OBS 1: Muitos ficaram revoltados com o final mas ao meu ponto de vista foi necessário ser assim, depois que a verdade veio a tona alguns teriam que precisar de um pouquinho de tempo para digerir, principalmente Ben.

         Capa original - Capa brasileira               
Openly Straight   Apenas Um Garoto

OBS 2: Terminei o livro querendo mais e andei pesquisando sobre o autor. Fiquei mega feliz por saber que foi lançada a continuação da história ahhhhhhhh que amorzinho! Na verdade, depois de Openly Straight (Apenas um garoto / Título Braileiro) há um conto que acontece depois do fim do livro e antes de iniciar o próximo. 

O Conto #1,5                              Livro #2
Openly, Honestly Honestly Ben
Ambos ainda estão sem previsão de lançamento no Brasil. :( Editora Arqueiro não nos deixa na mão dessa vez, viu?!

*ESSE POST FAZ PARTE DO TOP COMENTARISTA DE MAIO/2018*

Acompanhe o blog nas redes sociais!
Instagram ♦ Twitter ♦ Facebook ♦ Skoob ♦ Goodreads

15 comentários:

  1. Essa decisão do personagem é um tanto quanto polêmica. Embora, ao me ver, um pouco compreensível.

    No entanto, acho que não é possível ser feliz quando não há uma aceitação de si mesmo, e ao querer viver uma outra realidade paralela ao que ela é.

    Por um lado, foi mostrado algo que não estamos acostumados a ver nos livros com essa temática. Fugiu do padrão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto uns falam em sair do armário neste livro fala de voltar para ele. Muito bem ressaltado seu comentario rsts

      Excluir
  2. Rosana!
    Entendo perfeitamente o protagonista, ele apenas queria ser reconhecido por quem ele é e não pelo rótulo que levava.
    Enredo brilhante!
    Maravilhosa semana!
    “O meu objetivo é colocar no papel aquilo que vejo e aquilo que sinto da mais simples e melhor maneira.. “(Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Oi! Também vi as opiniões negativas sobre esse livro, não sei se eu leria. Eu acredito que iria ficar um pouco confusa lendo, era de se esperar que o personagem quisesse ficar onde não era recriminado e não quisesse se arriscar numa situação nova como entrar em um colégio diferente. Mas acho que entendi um pouco com a resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oi! Também vi as opiniões negativas sobre esse livro. Acho que eu estranharia era sua vontade de ir para um lugar que correria o risco de ser recriminado, mas acho que acabei entendendo um pouco lendo a resenha. Ele queria não ser rotulado, como era antes.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Já tinha dado um "zóiu" nesse livro algumas vezes, desde que o "mimimi" começou e fiquei surpresa de que ainda aja pessoas fechadas assim.
    Como não li,não sei o final.rs mas sei que é preciso livros assim. As pessoas precisam parar de se rotularem. A gorda. A preta. O gay. Necessário mesmo isso??
    Todo mundo perdeu sua identidade e isso é horrível.
    Quero muito poder conhecer Rafe e seus dilemas. Ah, e a capa brasileira é bem mais bonita.rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Essa história vai na contramão das que vejo com esse tema, geralmente a difícil decisão é a de se assumir, e só por isso já fiquei curiosa pra ver esse caminho inverso do personagem. Gostei da resenha, a capa é bonita e fiquei feliz que tem uma continuação já que o final desse primeiro livro deixou alguns leitores insatisfeitos ;)

    ResponderExcluir
  7. Nossa, fiquei de ler esse livro e até hoje nada. Parece uma leitura muito legal e gosto de temas assim, sempre me deixam alguma coisa, passam alguma mensagem. A história do Rafe mostra como é difícil pra pessoa e todas as coisas envolvidas pra ser quem é. Simplesmente ser quem é.
    Acho que iria adorar ler e nem sabia que tinha alguma coisa de continuação.
    Fiquei curiosa com esse final também. Espero gostar xD

    ResponderExcluir
  8. Não sabia que muitos estavam revoltados com esse livro, mas fico feliz que tenha sido uma ótima leitura para você.
    O autor trabalha com o inverso porque geralmente vemos as personagens saindo do armário, já Rafe está retornando.
    É compreensível... Deve ser duro ser visto como o garoto gay que joga futebol ao invés como o garoto que joga futebol.
    Rótulos são desnecessários.
    Gostei da resenha.
    Acho essa capa muito bonita.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá.
    Eu não sabia que havia tanta revolta em relação a esse livro.
    Fiquei bem curiosa para ler esse livro.
    Rafe parece tomar algumas decisões que pode prejudicá-lo na nova escola, mas dá para entender o motivo das suas escolhas.
    Deve ser difícil ter sempre um rótulo associado a você.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Já conhecia o livro, mas ainda não pude ler! Gostei muito de o autor ter abordado a homossexualidade de um ponto de vista diferente, já que em muitos desses livros o protagonista tem problemas em se assumir e não o contrário! Quero muito conhecer o Rafe e como ele vai lidar com as mudanças e a "volta para o armário"! O melhor é que tem continuação (apesar de ainda não ter sido lançada!). Preciso ler urgente!

    ResponderExcluir
  11. Olá, gosto da mensagem que esse livro reforça, pois por mais que tentemos enganar a nós mesmos, a verdade sempre volta. Além disso, é verdade esse fato que quando as pessoas se assume quem está ao redor se torna uma espécie de "cão de guarda", como se a pessoa só fosse definida por sua orientação sexual e não pelo que é. Logo, é até compreensível a atitude do protagonista. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, vc não consegue condenar a atitude de Rafe pois chega um momento que vc passa a entende-lo

      Excluir
  12. Olá!!
    Realmente deve ser difícil para o Rafe tomar a decisão de "voltar para o armário" para não ser conhecido como o "garoto gay", é sem dúvida confusão na certa!! Achei bem bacana a história e se tiver oportunidade ler vou querer sim!!
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que leia. Quanto mais leitor para livro melhor para editora resolver trazer os outros lançamentos para cá kkk

      Excluir

Tecnologia do Blogger.