22 de nov de 2014

Deby & Loyd 2 , 2014

Oi gente! Primeiramente quero me desculpar com a Rosana e com vocês por não ter conseguido aparecer na semana passada. Entre um capítulo e outro da monografia, consegui assistir a uma estreia que havia me deixado curiosa. Sem ler absolutamente nada e sem saber como o enredo iria se desenvolver, pude me surpreender, mesmo com os clichês, com a talento de Jim Carrey e  Jeff Daniels  e todo  o amor fraternal dos dois em  "Deby & Loyd 2".
Estreia:13/11/2014
Gênero:Comédia
Duração: 108 min.
Origem: Estados Unidos
Direção:Bobby Farrelly, Peter Farrelly
Roteiro:Bennett Yellin, Bobby Farrelly.
Com: Jim Carrey, Jeff Daniels, Rob Riggle,Rachel Melvin e Kathleen Turner.
Distribuidor: Imagem Filmes
Classificação: 12 anos
Ano: 2014

Sinopse: Mais nova aventura dos inseparáveis Lloyd Christmas (Jim Carrey) e Harry Dunne (Jeff Daniels). Desta vez, Harry descobre que teve uma filha ilegítima, que hoje precisa dela para um transplante de rim. Ele leva o amigo Lloyd para conhecer a garota, e os dois percebem que não têm a responsabilidade necessária para serem pais.

Realmente não precisaria ler nada sobre, porque é um daqueles filmes que só assistindo até o final faz sentido. Ou não. Já conhecemos os icônicos personagens desde 1994, quando, mais jovens e começando a carreira, Carrey e Daniels provaram do que eram capazes. Quantas vezes não assistimos na sessão da tarde os "dois idiotas em apuros"? Os dois filmes são despretensiosos, que não têm qualquer outra função, a não ser entreter. Não sei se porque eu era mais nova, mas tinha algumas partes do primeiro filme que não me agradavam, achava muito forçado. O que não aconteceu com essa sequência que, mesmo após 20 anos conseguiu resgatar o espírito roadtrip e me fez rir com coisas muito, muito bobas. No início, descobrimos que Loyd ficou internado em um manicômio esse tempo todo apenas para pregar uma peça no amigo. Ele só revela a verdade porque Harry, vulgo Deby está com um problema de saúde e precisa de um transplante de rins. O melhor: Deby acha genial a pegadinha. O reencontro é bem ao estilo dos dois.
Gostei da forma como se iniciou, conforme Deby ia atualizando o amigo também atualizava os espectadores e depois desse tempo era o que precisávamos. Nem preciso dizer que o apartamento onde vivem, a vila e tudo o mais que remete o filme original estão lá. Inclusive o Billy, o menino cego que já sofreu nas mãos dos dois. Aliás, essa maldade é desculpada quando os personagens discursam como se estivessem "ajudando" o menino. A ingenuidade se faz presente o tempo inteiro e depois desse final, acredito que são bem mais débilóides do que imaginamos.
Billy do 4C!
Depois de visitar os pais e descobrir que eles não podem doar os rins (adivinhem o motivo!), descobrem que Deby tem uma filha perdida e saem em busca da menina. Penny, foi adotada porque a mãe biológica não tinha como criá-la. Loyd é óbvio, se "apaixona" pela suposta filha do amigo e tem a paixão como motivação para encontrá-la.  A partir daí, é que se metem nas confusões que já estamos acostumados, contando com uma vilã (madrasta de Penny) e seu amante, que sofre muito mais do que aquele gordinho do primeiro filme. A culminância das ações é uma feira de cientistas, já que Penny está indo discursar para o pai adotivo. A garota aliás, é a reencarnação feminina do Loyd: ingênua, pouco inteligente e divertida.
Está certo que a sorte estava do lado de Deby & Loyd, mas precisamos fazer aquele pacto ficcional e aceitar algumas coisas do roteiro sem questionar muito. Infelizmente não posso entregar mais, se não vocês descobrem tudo. O aspecto mais importante e que me marcou, foram as atuações de Jim Carrey e Jeff Daniels, os tiques, trejeitos, TUDO eles repetem. Achei magnífico, passou tanto tempo mas quando se assiste parece que a continuação foi feita após o primeiro filme. Em vários momentos você se pega pensando: "não, eles não fizeram isso" ou "eles são muito idiotas". Para quem quer rir com coisas bobas e entrar no universo da dupla mais louca e atrapalhada do cinema é um prato cheio. Deixo o trailer para vocês e a premissa de diversão!

P.S: As cenas finais relembrando o primeiro filme foram fofas!

Beijos e até semana que vem.

4 comentários:

  1. Apesar de não gostar tanto do estilo do filme, esse eu quero ver. Me lembra da infância (confesso que também não gostava de algumas partes) e me dá muita nostalgia.
    Aliás, parabéns ao diretor, que conseguiu captar a essência do filme e fazer com que parecesse que não se passou tanto tempo. Porque convenhamos, 20 anos é uma vida!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana! Como falei, também não gosto muito, mas é super divertido sim!
      Essa palavra estava na minha cabeça e eu esqueci: é muito nostálgico.
      São dois diretores, irmãos, ele e a dupla de atores precisavam. Pelo que li, tirando o Jeff Daniels todos vieram de produções que não deram muito certo, depois dessa acho que eles conseguiram limpar a barra né? rs
      Beijos!

      Excluir
  2. Sinceramente eu não gosto de filmes desse tipo e nem curto Deby e Loyd 1, mas tenho que dar os parabéns pros caras, fazer o "mesmo" filme depois de 20 anos com os personagens iguaizinhos nos trejeitos não é pra qualquer um ,tem que ser uma puta ator pra conseguir isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Nathalia, foi o que mais me chamou a atenção. Se eles não tivessem envelhecido (claro!) acharia que foi tudo filmado junto, que eles não tiveram pausa.
      Beijos e obrigada pelo comentário!

      Excluir

© Tudo que Motiva - 2014. Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.